29 Julho, 2021

Receitas e EBITDA aumentam numa base proforma no 1º Semestre

No primeiro semestre, e numa base proforma, as receitas totais da GreenVolt atingiram 66 milhões de euros, um aumento de 42,4 milhões de euros, com a operação nacional a contribuir com 42 milhões de euros e a operação do Reino Unido a contribuir com 24 milhões de euros. Em termos de EBITDA, a companhia registou um crescimento de 66,7% para 26,2 milhões.

O primeiro semestre de 2021 da operação ficou caracterizado por um conjunto de aquisições que contribuíram para posicionar a GreenVolt como uma referência na produção energética através de biomassa residual e, paralelamente, como um “major” europeu no segmento do desenvolvimento de projetos de energia solar fotovoltaica e eólica, para além do início de constituição de uma unidade de negócio assente na geração energética descentralizada.

Segundo João Manso Neto, CEO da GreenVolt: “Num período de mercado conturbado, a equipa da GreenVolt concretizou uma ambição muito relevante para o futuro da Companhia: a admissão das suas ações à cotação no mercado de capitais, com uma forte adesão dos investidores institucionais e concluída com sucesso. A GreenVolt já é atualmente uma empresa de referência nas energias renováveis, claramente diferenciadora, com uma excelência operacional na produção de energia elétrica renovável a partir de biomassa residual – a biomassa certa, que contribuiu para a economia circular e para externalidades positivas no ambiente - e explorando as oportunidades mais rentáveis no segmento das energias solar fotovoltaica e eólica, sendo já um major europeu no segmento da promoção e desenvolvimento de projetos. Traçamos objetivos ambiciosos e estamos no caminho certo para os atingir, e com a ambição de os ultrapassar”.

Em termos estatutários, os resultados do primeiro semestre de 2021 foram impactados por vários efeitos não recorrentes, como os custos de transação referentes, essencialmente, aos custos com a aquisição da central de Tilbury e às paragens de manutenção. Adicionalmente, tendo em conta que a aquisição da Tilbury se concretizou no dia 30 de Junho de 2021, foi considerada a demonstração da posição financeira consolidada das empresas no Reino Unido, contudo, sem impacto na demonstração dos resultados. Por fim, sublinhe-se o facto da paragem para substituição da turbina da central de produção energética através de biomassa florestal residual em Vila Velha de Ródão, a qual só entrará novamente em funcionamento a partir do mês de Setembro de 2021, prevendo-se um reforço da sua disponibilidade e da sua capacidade produtiva.

Assim, as receitas totais ascenderam a 42 milhões de euros, o que representa um decréscimo de 9,8%; o EBITDA excluindo os custos de transação referentes, essencialmente, a custos com a aquisição de Tilbury, atingiu os 13,9 milhões de euros (-11%), enquanto que o EBITDA incluindo estes custos não recorrentes foi de 10,6 milhões de euros (-33%). O Resultado Líquido do exercício foi de cerca de 1 milhão de euros, o que reflete a evolução do EBITDA.